04/06/2013

Rotinas? Não, obrigada.

Abrimos o Booty Campo a uma história inspiradora que merece ser contada. Aqui fica o relato pela mão da própria:


Durante dois anos sempre corri de forma blasé e de acordo com as disposições quotidianas: tanto podia correr todas as semanas, durante vários quilómetros, como facilmente ficava mais de um mês sem calçar os ténis. Vivia bem com isso, sem grandes culpas ou questões existenciais.

Até que, há cerca de dois meses atrás, um conjunto de situações proporcionou uma grande mudança: apatia total em ter iniciativa para correr (aí sim já sentia aquela típica culpa em forma de grilinho irritante – sim Sofia L., como qualquer madeirense de gema pensei tive dúvidas na palavra ‘grilinho’), stress no trabalho, o confronto  realista da balança e a compra do iphone.

O meu corpo gritava “MEXE-TE”.

Tomei a decisão mais regrada dos últimos tempos e os termos eram simples:
- Correr quatro vezes por semana (dia sim, dia não);
- De manhã, antes de ir para o escritório (a ginástica mental de fazê-lo ao final da tarde estava a atrasar o processo mas a verdade é que a hora que mais gosto de correr é ao final da tarde e é isso que faço aos fins-de-semana);
- As corridas semanais teriam o mínimo de 5km e ao fim-de-semana faria uma 10k;
- Defini um conjunto de objectivos racionais em termos de perda de peso;
- Sempre acompanhada de boa música e pela fantástica app da Nike Run.

Pela primeira vez na minha vida adulta, estava a ser disciplinada no que toca ao exercício físico, isso fazia-me bem e as pessoas à minha volta rapidamente notaram.

Num mês e meio já tinha perdido 6kg e no sábado passado completei a minha segunda maior meta: 200km em 2 meses.


Agora corro não porque quero perder peso mas porque quero fazer uma maratona, preferencialmente fora de Portugal. Poder juntar uma viagem com uma grande corrida? Plano perfeito! Sei que para chegar a esse objectivo ainda vou demorar muito tempo mas a cada mês que passa os meus mínimos de corrida aumentam e agora faço 9 a 10km em cada uma. Há dias em que correr é puro sacrifício, outros é a melhor parte do meu dia. Tal como eu, cheio de humores.

Qual a minha próxima corrida? A de São Silvestre, no Funchal, contra o meu maior adversário, o meu pai. Estão todas convidadas a assistir. Até lá, boas corridas, bons ginásios e bons bootys, sempre bons bootys!


Bárbara F.S.

1 comentário:

Amelia disse...

Que fabuloso Bárbara! Obrigada pela tua história. O mais importante e o mais difícil é mesmo conseguir essa disciplina :)

Continua e obrigada pela colaboração*